Palestra sobre Empreendedorismo Digital

Palestra_final_Empreendedorismo_Digital_Semana_Integradora_Impacta_09-12-2013-FINAL

PALESTRA DE EMPREENDEDORISMO DIGITAL POR FLAVIO PAVANELLI | MARKETING DIGITAL|

Ontem tive o privilégio de palestrar para turma de Pós Graduação em Marketing Digital da Faculdade Impacta de Tecnologia – FIT. Seguem os slides desta palestra sobre Empreendedorismo Digital ( Nos QR-Codes você poderá assistir ao vídeos que apresentei)!

 

Transcrição do Slides

palestrante-professor-marketing-digital3. 03. Pequenos Negócios

Em 2013… 66% das pequenas empresas americanas gastaram mais em marketing on-line em relação a 2012. Além disso: • 41% estão usando e-mail para falar com seus clientes, um salto de quase 25% desde o ano passado. • 67% estão usando seus sites para comercializar produtos e serviços aos seus clientes. Fonte: AT&T –                                                     http://www.att.com/gen/press-room?pid=23878 41%

4. 04. O QUE É SER EMPREENDEDOR ?

5. 05. CONCEITO DE EMPREENDEDOR

O termo ” empreendedor ” foi definido pela primeira vez pelo economista irlandês Richard Cantillon , como: +99% • “a pessoa que paga um determinado preço por um produto para revendê-lo a um preço incerto , tornando as decisões sobre a obtenção e utilização dos recursos, enquanto , consequentemente, admiti o risco de empresa. “ O termo apareceu pela primeira vez no dicionário francês “Dictionnaire Universel de Commerce ” de Jacques des Bruslons publicado em 1723 e, posteriormente, evoluiu ao longo do tempo .

6. HISTÓRICO DO EMPREENDEDORISMO

1950 -Joseph Schumpeter: pessoa com criatividade e capaz de fazer sucesso com inovações; o que reforma ou revoluciona o processo “criativo-destrutivo” do capitalismo, por meio do desenvolvimento de nova tecnologia ou do aprimoramento de uma antiga – o real papel da inovação;

1964 – Peter Drucker : É o empresário que pesquisa a mudança , reage a ela e explora as oportunidades. Inovação é uma ferramenta específica de um empresário , portanto, um empreendedor eficaz converte uma fonte em um recurso.

1985 -W.B. Gartner: Empreendedor é uma pessoa que começou um novo negócio onde não havia antes.

Resumindo: “é um indivíduo que organiza e opera um negócio ou negócios, assumindo o risco financeiro para o fazer”

7. 07. NO BRASIL: RELAÇÃO AMBÍGUA EM RELAÇÃO AO EMPREENDEDORISMO

74% – Riquezas “o empreendedorismo é a base de criação de riqueza, e beneficia a todos nós”

88% – Empregos -A população acredita que “empreendedores são geradores de empregos”

60%   Exploração.  “empreendedores exploram o trabalho de outras pessoas” Fonte: Endeavour

8. 08. POR QUE EMPREENDER?

9. 09. MOTIVOS PARA EMPREENDER?:

NECESSIDADE 69%

OPORTUNIDADE 31%

Fonte: SEBRAE

10. 10. FAIXA ETÁRIA DO EMPREENDEDOR BRASILEIRO

+27%  35 a 44

+34%  25 a 34

+18%  18 a 24

Fonte: SEBRAE

11. 11. FUTUROS EMPREENDEDORES DIGITAIS

66% DINHEIRO

55% SEGURANÇA

56% RECOMPENSAS PESSOAIS

Fonte: Empreendedorismo nas Universidades – Endeavour

12. 12. EMPREENDER POR DESAFIO

“Dizem que o tempo muda as coisas, mas é você quem tem de mudá-las” Andy Warhol

13. 13. TEMPOS MODERNOS: A INTERNET

1946 – CRIADO O ENIAC O PRIMEIRO COMPUTADOR DIGITAL ELETRÔNICO

1969 – ARPANET ENTRA EM FUNCIONAMENTO – PRIMEIRA TRANSMISSÃO ATRAVÉS DA REDE

1989 –  TIM BERNERS LEE CRIA O WWW WORLD WIDE WEB

1998 – O GOOGLE INICIA SUAS ATIVIDADES NO DIA 15 DE OUTUBRO DE 1998
14. 14. NOVAS TECNOLOGIAS

Como a Bússola revolucionou… e como a internet esta revolucionando!

15. 15. DESTRUIÇÃO CRIATIVA  – PROFETA DA INOVAÇÃO

“As tecnologias realmente destroem, ao mesmo tempo em que criam. Cada nova tecnologia destrói, ou ao menos diminui, o valor de velhas técnicas e posições mercadológicas.” Joseph Schumpeter

16. 16. EMPREENDEDOR É QUEM INICIA UM EMPREENDIMENTO

Empreendedor é aquele que inicia um novo negócio

17. 17. EMPREENDEDOR… DIGITAL ?

18. 18. CONCEITO DE EMPREENDEDORISMO DIGITAL

“O empreendedorismo com foco no ambiente digital, é nos dias de hoje, uma atitude empresarial fundamental para fomentação das novas formas de negócios e, consequentemente, novas maneiras para obtenção do lucro através da internet.” Empreendedorismo Digital

19. CRIAÇÃO & INOVAÇÃO

 Startup

 Empresa Digital

20. 20. E VOCÊ… SABE A DIFERENÇA?

CRIAÇÃO É DAR EXISTÊNCIA GERAR,INVENTAR INOVAÇÃO ≠  INOVAR QUE É INTRODUZIR NOVIDADES RENOVAR

21. DIFERENÇA ENTRE STARTUP E EMPRESA DIGITAL

22. CONCEITO DE EMPRESA DIGITAL

Organização que explora qualquer ramo de indústria, comércio ou serviço já existente, o que ameniza os riscos. Desenvolvida com base na construção de um plano de negócio com diferencial atrelado ao mundo digital validado entre sócios visando sucesso a médio/longo prazo.

23. 23. CONCEITO DE STARTUP

Empresa em fase embrionária, com altíssimo risco de insucesso, em experimento e com foco a curto prazo, porém com empreendedores criativos cujo modelo de negócio inédito proporciona potencial de alto impacto na sociedade ou no seu setor de sua atuação.

*Definição com base na metodologia aplicada no Vale do Silício (EUA)

24. 24.  EXEMPLOS DE STARTUP E EMPRESA DIGITAL

STARTUP

“O Buscapé surgiu da dificuldade que tivemos em comprar uma impressora matricial no término da faculdade. Com R$ 400 montamos o site, que desde o início serve para encontrar o produto desejado ao melhor preço.” *Roberto Romero

EMPRESA DIGITAL

“Quando me mudei para Boulder minha chave estava quebrada e nenhum rookie da faculdade tinha alguém para me indicar. Daí criamos uma rede para prestadores de serviços”. *Pedro Sorrentino

25. 25.  NA PRÁTICA – STARTUP versus EMPRESA DIGITAL

STARTUP

• Produto único
• Busca por investimento de VC, Anjo, etc…
• ROI alto e rápido
• Visão de curto/médio prazo, visando aporte $/IPO;
• Baixa estruturação;
• Rápida implementação;
• Busca por crescimento rápido das operações;
• Baixo custo inicial;
• Surge com o objetivo de revolucionar totalmente o panorama de um setor ou criar um novo. •

EMPRESA DIGITAL

• Visão de médio/longo prazo;
• Financiamento da operação via bootstraping (“próprio”)
• manutenção acionária;
• Maior e melhor estruturação das atividades;
• Custo inicial variável;
• Pode ser inovadora no seu segmento, trazendo evolução das melhores práticas.

26. 26.  FATORES COMUNS ENTRE UMA STARUP E UMA EMPRESA DIGITAL

 Plano/Modelo de Negócio diferenciado

 Necessidade de ter Missão, Visão e Valores bem definidos.

 Preocupação crucial nos primeiros meses com capacidade financeira e capital humano;

 Busca incessante por contatos que possam agregar valor à empresa.

27. 27. EMPREENDEDOR NO AMBIENTE DIGITAL

28. VAMOS EMPREENDER?

Vídeo Vai que Dá – Fonte: Endeavour – A cara das Startups Brasileiras

29. 29. PRÉ-REQUISITOS EMPREENDEDOR DIGITAL

30. 30. Job Experience – Experiência de Trabalho

ESTAGIO 1 Básico – • Ganhar conhecimentos básico do • Descobrir as competências do negócio (skills) empreendedorismo • Entender fator econômico e a livre  iniciativa

ESTÁGIO 2  Consciência das Competências – Entender os problemas dos empregadores,  Identificar oportunidades de carreira

ESTÁGIO 3• •   Aplicações Criativas • Aprender sobre as competências do empreendedorismo • Aprimorar o conhecimento em uma ocupação específica • Aprender em como criar um novo negócio

Fonte: http://www.entre-ed.org/Standards_Toolkit/nurturing.htm
31. 31. Job Training & Education

ESTAGIO 4 Startup • Ser um empreendedor (self-employed) • Desenvolver políticas e procedimentos para o seu novo negócio

ESTÁGIO 5 Crescimento • Buscar resolver efetivamente os problemas do negócio • Promover e Expandir o negócio

http://www.entre-ed.org/Standards_Toolkit/nurturing.htm

32. 32. O QUE ANALISAR PARA COMEÇAR? PESSOAS – Analise SWOT

PESSOAS – A gestão de um negócio não é só falar em números, mas sim tudo a ver com habilidades com as pessoas. (Steve Richard – Vorsight.com)

AUTOCONHECIMENTO – Concentre-se em si mesmo tanto quanto no seu produto / serviço (Mujteba H. Naqvi – bonvoy.com)

FINANÇAS  – Não precisa de muito dinheiro para começar, basta começar pequeno. (Keany Candy – threemusesclothing.com)

PONTOS ESTRATÉGICOS – Pense numa estratégia de saída, antes de entrar no negócio. (Laurence Stybel – Stybelpeabody.com)

33. 33. VAMOS COMEÇAR?

34. COMO COMEÇAR ?

35. NASCEU A IDÉIA DE MONTAR UMA EMPRESA NA INTERNET

36. E-MARCAS – MARCAS DIGITAIS e PATENTES DE APLICATIVOS

Sistema eletrônico para solicitar serviços de marcas ao INPI. Com ele, você pode depositar um pedido de registro ou petições de marcas pela Internet.

O QUE É PATENTE ? sempre está relacionada a uma invenção, ou seja, trata-se de um produto inovador.

O QUE É MARCA ? é sempre um nome e/ou imagem capaz de identificar um produto ou serviço

37. 37. DOMINIO SEM MARCA PODE SER CANCELADO

Segundo o presidente da Comissão, a marca se sobrepõe ao domínio. Tendo a titularidade da propriedade da marca, pode a empresa tomar as medidas administrativas e judiciais cabíveis junto à empresa ou pessoa que efetuou o registro do domínio que pode ser, inclusive, obrigada a transferir ou cancelar o registro em favor do titular da marca. – 07/03/2013

43. 43. CASE EMPREENDEDORISMO – MARCA PERDIDA – BRANDING

A cachaça “Havana” perdeu, em 2001, o nome de batismo escolhido em 1945 pelo seu produtor Anísio Santiago. Processado pela fabricante do rum cubano Havana Club, detentora desde 1994 da marca no Instituto Nacional de Propriedade Industrial (INPI), a Havana, fabricada em Salinas, no Norte de Minas, trocou de nome e, no rótulo, passou a aparecer o nome do seu fabricante. CASE Cachaça Havana passou 4 anos se chamando Anísio Santiago

45. 45. TLD´S REGISTRO.BR

46. 46. DATACENTER´S PARA EMPREENDEDORES DIGITAIS

DEDICADO máquinas físicas, totalmente dedicadas com hardware de alta performance para comportar altas requisições

CLOUD COMPUTING fracionamento de um conjunto de recursos disponível em dezenas de servidores e storages, permitindo escalabilidade, garantia de performance e disponibilidade do ambiente.

47. CASE ANIMOTO:

Serviço de criação de vídeo “Cloud-Based” que produz vídeo a partir de fotos, vídeos e músicas em apresentações de vídeo

Webinar com José Papo AWS Amazon Brasil

48. PLATAFORMAS PARA ECOMMERCE

49. 49. SaaS Ecommerce Plataform (Software como Serviço)

https://www.ecommercebrasil.com.br/fornecedores-categoria/plataformas/

50. 50. DESENVOLVER OU NÃO SOLUÇÕES PARA ECOMMERCE?: EIS A QUESTÃO!

51. QUER FLEXIBILIDADE E ESTÁ SEM GRANA? MÃOS A OBRA! PROGRAMAR EU?

52. 52. MAIS OBSTÁCULOS? NÃO DESANIME!

53. 53. PRINCIPAIS PLATAFORMAS DE LOJA VIRTUAL EM CÓDIGO LIVRE

54. 54. VANTAGENS DE UTILIZAR UMA PLATAFORMA DE ECOMMERCE – OPEN SOURCE

  • CUSTO
  • COMUNIDADE ATIVA
  • ACESSO A FONTE ABERTA
  • MAXIMIZAR AS OPORTUNIDADES
  • MAIS FUNCIONABILIDADES
  • TEMPO DE DESENVOLVIMENTO
  • FÁCIL INTEGRAÇÃO
  • TOTAL CONTROLE

55. 55. QUAL PLATAFORMA ESCOLHER?

56. PESQUISA ECOMMERCE

http://notes.envato.com/trend-spotting/ecommerce-inspiration-these-are-the-top-four-ecommerce-platforms-as-chosen-by-you/

58. 58. WEB RESPONSIVA – PORQUE USAR UM SITE RESPONSIVO?

• O Design Responsivo assegura que, seja via e-mail, busca, display, social ou campanhas de afiliados, todas apontem para páginas mobile-friendly.

• 25% dos resultados de buscas e quase 50% das aberturas de e-mail acontecem em dispositivos móveis.

• Um conjunto único de URLs também traz benefícios relacionados ao SEO – todos os backlinks apontam para um único domínio.

• O Google “ama” sites Responsivos – isso significa menos trabalho para o Googlebot.

Fonte: http://www.getelastic.com/

59. 59. PLATAFORMAS MOBILE

Smartphone & Tablet

60. RENDA ANUAL DOS USUÁRIOS DE SMARTHPHONE

62. 62. VERSÕES IOS ANDROID

63. 63. ATUALIZAÇÕES DOS SISTEMAS OPERACIONAIS DE SMARTHPHONE E TABLETS

64. QUAL SISTEMA (TABLET) ADOTAREMOS EM SALA DE AULA? CASE CPB

No Brasil são mais de 175 mil alunos matriculados na educação básica à graduação.

65. 65. MAS TUDO NA VIDA PRECISA DE… DINHEIRO PARA INICIAR UM EMPREENDIMENTO DIGITAL

66. 66. CAPTAÇÃO DE RECURSOS PARA STARTUP

ANJO/STARTUP Interessado em contribuir para o crescimento de uma startup através de recursos financeiros e de conexões para geração de negócios e parcerias.

SÓCIO/EMPRESA todo empreendedor deve lembrar que ao receber um aporte financeiro, (o anjo) se torna sócio

NO Brasil os INVESTIMENTOS crescem 35% ao ano. O Investimento médio nas startups brasileiras é de 420 mil dólares

http://www.2work.com.br/coworking/index.php/coworking-sao-paulo-campinas/investimento-em-startups-brasileiras-cresce-35-ao-ano/

67. 67. 4 MITOS SOBRE INVESTIMENTO-ANJO

  1.  Vou poder fazer o que quiser com o capital
  2. Entrarei em contato com muitos outros investidores
  3.  O investimento solucionará todos os meus problemas
  4.  Depois que o dinheiro acabar, virá mais

68. 68. O QUE É CROWDFUNDING? E COMO FUNCIONA?

Obtenção de capital para iniciativas de interesse coletivo através da agregação de múltiplas fontes de financiamento, em geral pessoas físicas interessadas na iniciativa. O termo é muitas vezes usado para descrever especificamente ações na Internet com o objetivo de arrecadar dinheiro para artistas, jornalismo cidadão , pequenos negócios e start-ups, campanhas políticas, iniciativas de software livre, filantropia e ajuda a regiões atingidas por desastres, entre outros.

69. FRIENDFUNDING?

70. 70. DIFERENÇA ENTRE GATEWAY´S E INTERMEDIÁRIOS DE PAGAMENTOS

Intermediário de pagamentos = É um serviço que intermedia os pagamentos ou cobranças, fica com ele a responsabilidade de garantir a devolução do valor pago pelo comprador caso o vendedor não entregue o produto ou ocorra algum problema com a entrega. O intermediador também, é responsável por realizar a avaliação do risco (de prejuízo) é ele quem tomará as providências para garantir que as transações são legitimas. Não precisa ter contrato com operadora de Cartão de Crédito Taxas de 2 a 6,9% por transação O pagamento ocorre na página do intermediador

Gateway de pagamentos  = Precisa ter contrato com operadora de Cartão de Crédito O dinheiro recebido vai direto para a conta da sua empresa O pagamento ocorre na página da sua loja É um serviço que oferece um meio de integrar seu site com um método de pagamento (cartão de crédito, boleto, transferência eletrônica…). Normalmente a responsabilidade do gateway de pagamentos se restringe apenas a verificar se sua loja virtual possui os pré requisitos de segurança (PCI compliance) e oferecer o método de integração.

71. 71. LOGÍSTICA NO E-COMMERCE

61% Atraso 2013 Frete Grátis Varejistas on-line 69% 93% 55% Repasse 39% Extravio Em relação à distribuição dos custos nas operações logísticas, o frete representa a maior parte, com 58%. Gastos com armazenagem representam 23% e com manuseio 19% 35%

http://ecommercenews.com.br/noticias/pesquisas-noticias/pesquisa-mostra-panorama-da-logistica-no-e-commerce-brasileiro

72. FOCO EMPREENDEDOR DIGITAL

“Algumas pessoas acham que foco significa dizer sim para a coisa em que você irá se focar. Mas não é nada disso. Significa dizer não às centenas de outras boas idéias que existem. Você precisa selecionar cuidadosamente.. ” Steve Jobs

“Eu tento me manter dizendo para a equipe que precisamos manter nossos pés no chão. Temos vários pontos que são muito importantes e seguimos assim trabalhando.” Sebastian Vettel

73. e-BRANDING PRESENÇA DIGITAL

Ser a mais lembrada (share of mind)

Ser a mais querida(share of heart)

Ser a mais vendida (share of marketing)

74. 74. O EMPREENDEDORISMO DIGITAL

75. 75. EMPREENDEDOR DIGITAL #1

O desafio maior é a transição da ideia para um trabalho mesmo. Colocar o site no ar é fácil, ver o preço da hospedagem triplicando e não ter dinheiro prá pagar é complicado. Trabalhar em casa pode ser legal, mas todo mundo acha que você está brincando”, Alexei Martchenko, criador do SuperDownloads. Fonte: Empreendedorismo Digital – SEBRAE

76. 76. EMPREENDEDOR DIGITAL #2

“Durante os nove primeiros meses do site, ainda trabalhava em outra empresa para me sustentar e trabalhava com uma operação com custo muito baixo” Bruno Mello, Mundo do Marketing Fonte: Empreendedorismo Digital – SEBRAE

77. 77. EMPREENDEDOR DIGITAL #3

 “A partir do momento em que atingimos um patamar razoável de clientes, começamos a nos beneficiar da propaganda feita pelos próprios clientes e também pudemos utilizar outras ferramentas que nos possibilitaram demonstrar nossos produtos e facilidades para um número bem maior de usuários” Douglas Pedrosa, do Uniflores Fonte: Empreendedorismo Digital – SEBRAE

78. O EMPREENDEDOR MONTANHA RUSSA

79. 79. PLANO DE NEGÓCIOS PARA EMPREENDEDORISMO DIGITAL

#1. Buscar conselhos

#2. Decidir seu objetivo com base em uma visão macro

#3. Contratar pessoas inteligentes

#4. Atribuir o sucesso ao esforço dos outros

#5. Tenha uma perspectiva positiva

#6. Persevere enquanto os outros desistem

70% SUCESSO!

Fonte: SEBRAE

80.O Comportamento do Consumidor Digital

 Roteiro Express

 As Oportunidades do Mercado

 O Comportamento do Consumidor Digital

 O Perfil do Empreendedor Digital

 Cases Reais do Mundo

 E agora: sobre a Empresa

82. 82. “A melhor maneira de predizer o futuro é criá-lo.“ Peter Drucker

Flávio Pavanelli

Flávio é Empresário, Web-Developer, Professor e Consultor em (apaixonado por) Marketing Digital. Especializando-se a cada dia, em como a Internet e as novas tecnologias interativas vêm mudando o comportamento do consumidor e o relacionamento das empresas off-line com seus públicos-alvo on-line.